[Resenha] O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares - Ransom Riggs

Nome: O Orfanato Da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares
Autora: Ransom Riggs
Série: O Orfanato Da Sra. Peregrine (#01)
Editora: LeYa | Gênero: Ficção
Páginas: 335 |Classificação: 5/5
Preços: Saraiva | Submarino | Amazon

O livro que deu origem ao filme de Tim Burton! Com estreia marcada para setembro deste ano, o trailer começou a circular nas redes sociais em 15 de março e, até agora, já teve mais de 2,5 milhões de visualizações. Eleito uma das 100 obras mais importantes da literatura jovem de todos os tempos, O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, é um romance que mistura ficção e fotografia. A história começa com uma tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são muito mais do que simplesmente peculiares. Elas podem ter sido perigosas e confinadas na ilha deserta por um bom motivo. E, de algum modo - por mais impossível que possa parecer - ainda podem estar vivas.


Quero começar dizendo que a primeira coisa que eu pensei quando li a sinopse e conversei com uns amigos foi: esse livro é sobre os X-Man do Tim Burton. Mas, ao avançar cada vez mais rápido a leitura, percebi que além de ser injusto classificar o livro apenas assim, essa ideia não expressava corretamente o impacto que a história causa.

A narrativa de Jacob começa extremamente interessante, apesar de um pouco misteriosa. Ele nos fornece um panorama de como era sua vida: chata, fora do seu controle, solitária. A única pessoa com quem Jake realmente contava era seu avô paterno Abe, que desde criança contava-lhe histórias fascinantes. Enquanto menino, Jacob realmente acreditava em tudo que seu avô narrava sobre sua infância cheia de aventuras no orfanato em que viveu e nas histórias de guerra que viveu.

O tempo passa, Jake cresce e passa a pensar que tudo aquilo era apenas obra da imaginação ou loucura de seu avô. E o leitor também passa a acreditar nisso, já que parecia que Abe, pela idade e traumas do passado, estava ficando demente. Tudo muda quando Jake recebe uma ligação no trabalho de seu avô, e o encontra a beira da morte. Como se não bastasse, ele vê um dos muitos monstros relatados por seu avô escondido na floresta atrás de sua casa.


 A partir dessa virada, eu sinceramente acreditei que Jake seria o louco da vez, já que ele fica completamente perturbado pela imagem; como se ela despertasse a mente dele para todos os relatos do seu avô, e materializasse os monstros em forma de sonho. Se até esse momento o leitor ainda não conseguiu ficar extremamente curioso e interessado na narrativa, assim que Jake decide ir atras do orfanato em que o avô viveu, tudo fica inexplicavelmente cativante.




Jacob precisava desse choque que a morte do avô trouxe para que sua vida, nas palavras dele, mudasse de ordinária para extraordinária. Ao embarcar nessa incrível aventura, entendemos que ele precisava disso para sair da concha em que vivia. Ele precisava apenas encontrar as pessoas certas que o ajudariam a entender quem ele realmente é; as pessoas que o ajudariam a encontrar seu destino, seu lado peculiar. 

Parei para pensar que todos somos peculiares. Todos nós temos algo de único, como um código, que se desvendado nos permite alcançar lugares incríveis. Esse livro me surpreendeu demais, e o final foi de deixar qualquer um maluco. Infelizmente, não se pode dizer o mesmo sobre o filme; mas em geral isso acontece pois adaptações não necessariamente precisam ser fiéis a obra inspirada. Fora que se chama "adaptação" não é? Achei o filme decepcionante, pois a história é fantástica do jeito que nos é apresentada. Ouça o conselho de uma tola que não estava dando nada por esse livro pela sinopse: LEIA!!!!

isabela ottoni

6 comentários:

  1. Ta na minha fila de leitura. Quero comprar o box, ainda mais agora que o primeiro também é em capa dura. A primeira vez que ouvi falar dessa série também achei que era similar o X-Men, mas pelas resenhas que vejo, incluindo a sua, vejo que não! Também não assisti ao filme. Quero ler primeiro, até porque parece que é bem diferente.

    ResponderExcluir
  2. Desde que eu vi a capa desse livro, a sinopse e toda a premissa de unir livro e fotografia, eu já senti a quê ele tinha vindo. Até baixei no celular, mas não é mesma sensação. Estou esperando conseguir juntas umas moedas - menina, a situação tá difícil do lado de cá, hein? - pra comprar os dois livros de uma só vez. O enredo parece ser super envolvente e o trabalho gráfico nessa capa é incrível. Quero ler ainda esse ano. No máximo.

    Com carinho,
    Conto Paulistano.

    ResponderExcluir
  3. Essa série de livros se tornou uma das minhas preferidas *-* o primeiro livro é maravilhoso, mas, pra mim, o segundo (Cidade dos Etéreos) é o melhor dos três haha <3

    Adorei a resenha :* depois conte o que achou dos outros, tá?

    ResponderExcluir
  4. Adoro temáticas que desafiam a realidade e a fantasia. E vejo que esta série tem todos os elementos que tornam a história incrível. A capa deixou um tom de mistério, que só me fez ficar ainda mais curiosa para le-lo e ver o filme.

    Beijos
    Blog Estrelas Vigiadas!
    Carolina Valeriano

    ResponderExcluir
  5. Adorei a resenha! Realmente, eu também comecei a ler com um pé atrás, mas depois a história simplesmente me cativou <3
    Só falta ler o terceiro para eu completar, e posso dizer que se você gostou desse, o segundo consegue ser melhor. Aliás, você já leu? :p
    O filme eu não assisti ainda, e apesar de muita gente ter se decepcionado, quero tirar minhas próprias conclusões. hehe

    Beijos! :*

    ResponderExcluir
  6. Eu pretendo ler ainda nesse semestre, mas confesso que ainda estou com um pé atrás, além de sua resenha ter me despertado um desejo ainda maior para fazer a leitura. Amei!

    Bjos, Blog Marinspira <3

    ResponderExcluir

Instagram