[Resenha] Sedução da Seda - Loretta Chase

Nome: Sedução Da Seda
Autora: Loretta Chase
Série: As Modistas (#01)
Editora: Arqueiro
Páginas: 295 | Classificação: 5/5
Gênero: Romance de época, New Adult
Onde Comprar: Amazon | Saraiva | Submarino
Talentosa e ambiciosa, a modista Marcelline Noirot é a mais velha das três irmãs proprietárias de um refinado ateliê londrino. E só mesmo seu requinte impecável pode salvar a dama mais malvestida da cidade: lady Clara Fairfax, futura noiva do duque de Clevedon.

Tornar-se a modista de lady Clara significa prestígio instantâneo. Mas, para alcançar esse objetivo, Marcelline primeiro deve convencer o próprio Clevedon, um homem cuja fama de imoralidade é quase tão grande quanto sua fortuna.

O duque se considera um especialista na arte da sedução, mas madame Noirot também tem suas cartas na manga e não hesitará em usá-las. Contudo, o que se inicia como um flerte por interesse pode se tornar uma paixão ardente. E Londres talvez seja pequena demais para conter essas chamas.
Primeiro livro da série As Modistas, Sedução da seda é como um vestido minuciosamente desenhado por Loretta Chase: de cores suaves e românticas em alguns trechos, mas adornado com os detalhes perfeitos para seduzir.


Primeiro eu digo que amo romances de época, mas apenas aqueles em que encontramos mulheres e homens decididos a quebrar o padrão tão rigoroso que a sociedade quer nos impor. Desde antigamente até os dias de hoje, as pessoas tentam nos forçar a agir de determinada maneira, a adorar um comportamento "politicamente correto", a falar como todos falam, etc. Sempre tentam nos encaixar em um padrão ou esteriótipo. E eu não sou contra padrões, na verdade eu preciso deles para viver, mas sou contra normas ou regras que obrigam alguém a agir de forma que seu verdadeiro eu não sobressaia. Isso não traz felicidade, e acaba gerando apenas uma grande farsa. 

Marcelline pensava assim também. Uma mulher forte e decidida, que lutava para manter sua família e para crescer em seu ramo de trabalho. Dona do Maison Noirot, Marcelline não tinha tempo para gastar se importando com o que as pessoas falavam sobre a história de sua família, que eram conhecidos como os amantes do golpe. Ela e suas irmãs Sophia e Leonie no momento buscavam a ascendência do ateliê, que apenas uma cliente em especial poderia trazer: Lady Clara.

"Ela desejava tudo o que sua família lhe havia tirado: cada oportunidade que havia sido desperdiçada e todos os danos causados ao seu futuro, havia muitas gerações, antes do próprio nascimento."

Como as três sabiam que se quisessem mesmo Lady Clara como cliente (o que abriria portas para toda a nata da aristocracia para elas) teriam de fazer de tudo, elas decidem se organizar para que o plano dê certo. Cada uma das irmãs ficaria responsável por uma tarefa nessa missão, e para Marcelline ficou o mais complexo: convencer o Duque de Clevedon, futuro marido de Lady Clara, de que sua senhora deveria ser vestida por Maison Noirot.

Clevedon não estava nenhum pouco interessado em pensar qual modista vestiria a sua futura noiva, pois só de pensar que em breve ele teria uma esposa sua cabeça latejava. Apesar de ter um carinho especial por Clara, por a conhecer desde moça, o Duque se vê receoso por ter de abrir mão da liberdade que conquistara há três anos atrás. Mas como não havia outra alternativa, ele decide por fim ao eterno noivado e se casar logo.

"   A verdade é que ele não era nenhum anjo. Três anos antes, abandonara todas as responsabilidades, viajara para o exterior e encontrara a si mesmo. Tinha se estabelecido em Paris porque podia ser livre naquele lugar, como jamais seria na Inglaterra. Em Paris, sua fome de excitação e prazer não prejudicaria aqueles a quem amava.
     Ela não prometia nada além de danos, por toda parte.
    Ela era a mulher errada para ele, sob toda e qualquer circunstância, principalmente naquele momento. Por que não a conhecera um ano antes, três anos antes?"

Até que ele encontra Marcelline. Os dois sabiam que a atração que sentiam não era normal e que tinham muito a perder se dessem vazão ao desejo, se esquecendo das consequências que o ato geraria. O que fazer quando algo te atrai tanto que você simplesmente não consegue se conter? Desejo e dever, qual escolher? 

"    Quando olhou para baixo e seus olhares se encontraram, certo e errado perderam o sentido. Eram da mesma espécie e os semelhantes se atraem. Ele a desejava. E ela, que conseguiu lê-lo sem dificuldades, havia dito uma verdade incisiva após a outra.
   Sim, ele continuaria a desejá-la até conseguir tê-la. Então, se tudo fosse consumado, ele poderia se libertar dela."


Eu confesso que fiquei encantada com Marcelline e as outras Noirot. Logo na primeira página a autora conta um pouco sobre os pais delas, e admiro-as por não terem se tornado protagonistas mártires que só sabem chorar ou desejar um marido. Pelo contrário, elas estão em busca de poder. Para mim, o movimento de empoderamento das mulheres começou ali, quando mulheres comuns decidem ser conhecidas por seu trabalho e competência. Essa é uma característica forte em Marcelline, e acompanhamos durante o livro seu empenho em fazer seu nome e cuidar de sua família.
"  E agora, isso. Ele fizera tudo isso. Fizera em silêncio enquanto ela se preocupava com outras tarefas. Ele havia planejado uma surpresa para ela.
   - Oh, Clevedon, o que vou fazer?
  - Morar aqui? - arriscou ele.
  Marcelline olhou para Clevedon, para aqueles inesquecíveis olhos verdes, onde uma vez ela enxergara a dança do diabo, o calor do desejo, a gargalhada e a fúria. Ah, e também afeto, por Lucie."

Se você nunca leu nada da autora, então está perdendo. Ela sabe te fazer voltar no tempo e imaginar como seria viver em Londres na época de 1835. Diferente de tudo que já li, "Sedução da Seda" nos leva a conhecer mais sobre o mundo da moda daquela época, onde a competição era bastante acirrada e as pessoas não tinham escrúpulos sobre conseguir o que desejavam. Foi mágico ver a moda dessa forma mais bruta e real. 

Parece ser mais um romance, mas juro que não é. O envolvimento entre os personagens é intenso e apaixonante, mas até o leitor fica dividido entre o dever que ambos têm e o desejo que sentiam. Algo característico da autora, além de abordar temas diferentes e relevantes em suas obras, é a gama de sentimentos que ela constrói na história. Tem um pouco de new adult pois é característico nas obras dela, mas nada exagerado. Tudo com Loretta Chase é na medida certa para você se apaixonar.

"   E havia mais aquela novidade: ele entendera o que a loja significava para ela. Em poucas semanas, o trabalho mudara de algo sem importância - na verdade, um alvo de desprezo - para isso. Ela havia lido, em romances, sobre pessoas que não conseguiam falar porque seus corações estavam repletos demais e sempre pensara: não o meu negro coraçãozinho.
    Mas, agora, ela também não conseguia falar, porque tudo aquilo era demais, o que quer que aquilo fosse. As peças estavam se encaixando, um enorme quebra-cabeça que ela nem percebera que precisava ser resolvido. As peças começaram a se encaixar com perfeição diante de seus olhos."
O leitor se vê pego em meio a risadas em um momento, e na próxima página derrama lágrimas, enquanto fica curioso sobre uma ponta solta na história e se apaixona pelos personagens. Esse é um daqueles livros surpreendentes, que quando você pega acha que vai ler mais um clichê, mas fica sem fôlego até a última página. 


isabela ottoni

12 comentários:

  1. Oi Isa,

    Li esse livro assim que lançou e gostei bastante. Já conhecia a autora de outra série e ela foi uma das revelações do ano pra mim. Esse livro me encantou pelo tema, costureiras. Nunca tinha lido um livro com tantos detalhes sobre isso e tô louca pela continuação. :)

    Bjs, @dnisin
    www.sejacult.com.br

    ResponderExcluir
  2. Esse livro deve ser maravilhoso, é muito romance de época e a gente nem sabe o que ler. O que me encanta é o tema abordado pela Loretta, moda, estilistas, costureiras. Fiquei bem curiosa com o new adult que você mencionou. Um pouco disso num livro de época me parece bem curioso.
    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela resenha, eu ainda não conhecia este livro mas a história parece ser boa apesar de eu não ser muito fan de romances não :/

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Apesar de você ter levanto muitos aspectos interessantes, como os esteriótipos, por exemplo, e ter insistido que não é apenas um romance de época, vai além, que quem ainda não leu algo da autora está perdendo, confesso, não duvido, mas realmente, já tentei e o estilo não funciona comigo. Eu fico extremamente irritada.

    ResponderExcluir
  6. Que capa linda! Amo romances de época e esse parece ser muito bom. Dica anotada.

    ResponderExcluir
  7. Não sei o que tenho com romances de época... sua resenha está ótima, mas não me empolgo tanto pelo gênero...

    Bjs
    www.livrosdabeta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Ainda não li esse livro, mas depois da sua resenha é certo que irei conferir a história dessa mulher e espero gostar tanto e me sentir tão envolvida com a narrativa como ocorreu com você! <3
    Dica anotada! \o/

    ResponderExcluir
  9. Oiii Isa, tudo bem?
    Infelizmente dessa vez a obra não despertou muito interesse, por isso irei pular de dica, por não gostar de romances de época. Mas, sua resenha ficou ótima!
    Beijinhos da Morgs!

    ResponderExcluir
  10. Olaaaa
    Infelizmente não despertou minha atenção, eu não gosto de romances assim de época, gosto de mais uns clichês atuais hahahah. adorei a resenha

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    Eu amo a Loretta, escreve muito bem!
    Eu amei este livro, achei o envolvimento dos personagens bem legal, por ser diferente do habitual.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Adoro romances de época, principalmente os da Loretta 😍 amei a resenha.

    ResponderExcluir

Instagram